ORIENTAÇÕES PARA ESTUDO - BANCA

 

 

VISITE O SITE DA Secretaria de Educação

e baixe os arquivos com os programas do

Ensino Médio e Fundamental.

 Link do Programa de Estudos - BANCA PERMANENTE:

 

https://www.educacao.mg.gov.br/component/gmg/page/15941-supletivo-programas-de-provas-2016 

 

 

FUNDAMENTAL ÁREA I

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS – SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS ESPECIAIS DE ENSINO – DIRETORIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes 

do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano – Exames Supletivos / 2011

 

Conhecimento e Expressão em Artes Visuais

1. Análise e crítica de obras de artes visuais

I. Análise e crítica de obras de artes visuais produzidas em Minas Gerais

2. Introdução à teoria da forma

3. Introdução à composição

4. Introdução às artes audiovisuais

Conhecimento e Expressão em Dança

6. Apreciação e análise de danças utilizações em produções de dança.

III. Análise e crítica de obras de dança produzidas em Minas Gerais

IV. Estudo das premissas da dança

7. Planos e Peso dos gestos

8. Espaço, tempo, ritmo e movimento

9. Improvisação coreográfica

Conhecimento e Expressão em Música

10. Produção de sons e construção de fontes sonoras diversas

11. Estudo da voz

12. A música em seus aspectos históricos, sociais e étnicos.

13. Melodia, harmonia e ritmo.

14. Forma

15. Improvisação e criação musical com voz e/ ou instrumentos

musicais

Conhecimento e Expressão em Teatro

16. Espaços cênicos, gestos e movimentos corporais

17. Análise e crítica de espetáculos no cotidiano.

18. Estudo da abrangência do Teatro e sua história

19. Narrativas e estilos teatrais e 19.1. Identificar a ação dramática em peças teatrais.

20. Espaço, tempo, ritmo e movimento

21. Improvisação e criação de personagens

 

Referências Bibliográficas/Edições Atualizadas

GOMBRICH, Ernst Hans Josef. A História da Arte. Editora LTC.

COLI, Jorge. O que é Arte. Editora Brasiliense.

ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna. Editora Companhia das Letras.

ÁREA I

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS

SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS ESPECIAIS DE ENSINO

DIRETORIA DA EDUCAÇÃO DEJOVENS E ADULTOS

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Educação Física

do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano – Exames Supletivos / 2011

 

 

Esporte

1. História

2. Elementos técnicos básicos

3. Táticas das modalidades esportivas.

4. Regras

5. Riscos e benefícios da prática esportiva

6. Diferença entre o esporte educacional, de rendimento e de participação

7. Hidratação e vestuário nas práticas

esportivas

8. A inclusão no esporte

9. A importância do esporte no desenvolvimento de atitudes e valores éticos e democráticos

 

Jogos e Brincadeiras

I - História

II - Fundamentos básicos

III - Estratégias de jogo

IV - Riscos e benefícios

V - Regras: significados

VI - Eventos: olimpíadas, campeonatos, passeios ciclísticos, caminhadas e maratonas

VII - Práticas esportivas vivenciadas na comunidade e em outras culturas

10. O brincar na vida dos sujeitos

11. (Re) construção de jogos e

12. Origem e história da capoeira

13. Elementos básicos da capoeira

 

Ginástica

14. Origem e história da Ginástica

15. Características da Ginástica

16. A Ginástica como promotora de saúde, lazer e qualidade de vida

17. Alimentação e atividade física

VIII – Jogos e brincadeiras aquáticas

IX– Jogos de outras culturas

X - Tipos e características

XI - Práticas corporais da cultura oriental: caratê, muay thai, kung fu,

aikido, tae kwon do, tai chi chuan, ioga, dentre outras

 

 

 

 

 

Dança

18. Elementos constitutivos da dança: formas, espaço, tempo.

19. O corpo na dança e nos movimentos expressivos

20. Criação e improvisação

21. A diversidade cultural nas danças na dança em nosso país.

22. Dança e mídia

23. Dança como meio de desenvolvimento de valores e atitudes

24. Dança e relações de gênero

XII - Características de cada modalidade de dança

XIII - A dança nos eventos escolares: Festivais

 

Referências Bibliográficas/Edições Atualizadas

BRASIL, _Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: educação física. Brasília: MEC/SEF, 1997.96 p. 

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 1992.

NAHAS, Markus V. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 3ª ed. Londrina: Midiograf, 2003.

WERNECK, Christianne Luce, Gomes e ISAYAMA, Hélder Ferreira. Lazer, Recreação e Educação

Física. Belo Horizonte: Ed. Autêntica.

 

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS – SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS ESPECIAIS DE ENSINO – DIRETORIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Conteúdo Básico Comum (CBC) de LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA

do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano – Exames Supletivos/2011

• Os tópicos obrigatórios são numerados em algarismos arábicos

• Os tópicos complementares são numerados em algarismos romanos

 

Recepção e Produção de Textos Escritos de Gêneros Textuais variados em Língua Estrangeira

 

Tema 1: Compreensão escrita (leitura)

Sugestão de Gêneros Textuais

Reportagem. Perfi l. Folder. Biografias. História em quadrinhos. Instruções. Letras de música. Poema. Diagramas e gráficos.

Notícia. Artigo. Anúncio publicitário. Resenhas. Manchetes (headlines). Charge. Piada. Horóscopo. Receita culinária. Convite.

Jogo. Provérbio. Verbetes. Rótulo. Placa de aviso. Cartaz. Guia turístico. Classificado. Conto. Fábula. Crônica.

 

1. Compreensão das condições de produção do texto escrito de gêneros textuais diferentes.

2. Localização de informação específica no texto escrito de gêneros textuais diferentes.

3. Coerência e coesão no processamento do texto escrito de gêneros diferentes.

4. Coerência e construção de inferências no processamento do texto escrito de gêneros diferentes

 

Tema 5: Conhecimento léxico-sistêmico

Sugestão de Gêneros Textuais

Reportagem. Perfil.Guia Turístico. Biografia. História em quadrinhos. Instruções. Letras de música. Poema. Bilhete. Convite.

Anúncio. Cartaz. Listas (de compras, de rotinas do dia-a-dia).

Diálogos para expressar funções sociais diferentes. Conversa informal. Conversa telefônica. Scripts. Apresentações com suporte

escrito. Enquetes. Documentários.

 

20. Funções sóciocomunicativas dos vários tipos de presente (simples, contínuo, perfeito) em textos de diferentes gêneros

21. Funções sóciocomunicativas dos vários tipos de passado (simples, contínuo, perfeito) em textos de diferentes gêneros

22. Funções sóciocomunicativas dos vários tipos de futuro em textos de diferentes gêneros

23. Funções sóciocomunicativas do imperativo em textos de diferentes gêneros

24. Funções sóciocomunicativas dos marcadores do discurso em textos de diferentes gêneros

25. Funções sóciocomunicativas de numerais e valores em textos de diferentes gêneros

 

VIII. Funções sóciocomunicativas dos modais em textos de diferentes gêneros

• Fazer uso adequado dos modais no processo de recepção/produção do texto escrito.

 

IX .Funções sóciocomunicativas das preposições em textos de diferentes gêneros

• Fazer uso adequado das preposições no processo de recepção/produção do texto escrito.

 

X. Funções sócio- • Fazer uso adequado “wh-words” (when, why, where, etc.) no processo de

comunicativas das “wh-words” recepção/produção do texto escrito.

 

XI. Funções sóciocomunicativas dos advérbios

• Fazer uso adequado dos advérbios no processo de recepção/produção do texto escrito.

 

XII. Funções sóciocomunicativas dos graus dos adjetivos

• Fazer uso adequado dos graus dos adjetivos no processo de recepção/produção do texto escrito.

 

XIII. Plural de substantivos

• Fazer uso adequado do plural dos substantivos no processo de recepção/produção do texto escrito.

 

XIV. Ordem de palavras

• Fazer uso adequado da ordem de palavras no processo de recepção/produção do texto escrito.

 

XV. Formação de palavras • Formar novas palavras pelo acréscimo de prefixos e sufixos.

 

 

 

XVI. Agrupamento de palavras

• Formar pares de sinônimos, de antônimos e de palavras relacionadas.

• Formar conjuntos lexicais com itens do mesmo campo semântico.

 

Observação: Os itens não constantes da ordem do programa foram suprimidos por se tratarem de habilidades e competências orais, pois os Exames Supletivos compõem-se apenas de provas escritas.

 

 

 

Referências Bibliográficas/Edições Atualizadas

ALEXANDER, L.G.: Question and Answer, Ed. Longman.

AMOS, Eduardo et allii: Our Way, Editora Moderna.

DIXSON, Robert J.: Graded Exercises in English. Ao Livro Técnico.

MARQUES, Amadeu: A New Time for Enghish. Editora Ática.

THOMPSON & Martinet. A Practical Enghish Grammar, Oxford University Press.

WALKER, Michael. A Closer Look (an Esol Grammar) Addison-Wesley Publishing Co.

_______________. New Horizons in English. Vol. 1-2-3-4. Addison-Wesley Publ. Co

ÁREA I

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS

SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS ESPECIAIS DE ENSINO

DIRETORIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Conteúdo Básico Comum (CBC) de LÍNGUA PORTUGUESA

do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano – Exames Supletivos/2011

 

COMPREENSÃO (LEITURA) DE TEXTOS PRODUÇÃO DE TEXTOS ESCRITOS

• Artigo de divulgação científica, texto didático e enunciado de questões, relatório de experiências científicas, verbete de dicionário, verbete de enciclopédia.

• Artigo, carta de leitor, editorial, entrevista, notícia, perfil, reportagem, charge e tirinha.

• Anúncio publicitário

• Cartilha educativa, instruções de uso, confecção, operação e montagem, textos de aconselhamento e auto-ajuda

• Poema, conto, crônica, novela, romance e texto dramático.

• Esquema e resumo de artigos de divulgação científica e de verbetes de enciclopédia; relatório de experiências científicas; resumo e resenha de filmes, espetáculos e obras literárias.

• Artigo, carta de leitor, entrevista, notícia e perfil.

• Cartilha educativa, instruções de uso, confecção, operação e montagem, textos de aconselhamento e auto-ajuda, anúncio.

• Poema, conto e crônica.

 

1. Contexto de produção, circulação e recepção de textos

• Situação comunicativa: produtor e destinatário, tempo e espaço da produção; grau de intimidade entre os interlocutores.

• Suporte de circulação do texto e localização do texto dentro do suporte.

• Contexto histórico.

• Pacto de recepção do texto.

• Domínio discursivo, objetivo da interação textual e função sociocomunicativa do gênero.

• Situações sociais de uso do texto /gênero.

• Variedades lingüísticas: relações com a situação comunicativa, o contexto de época, o suporte e as situações sociais de uso do gênero. produção a partir de escolhas lingüísticas (lexicais ou morfossintáticas) e/ou de referências (sociais, culturais, políticas ou econômicas) ao contexto histórico.

 

2. Referenciação bibliográfica, segundo normas da ABNT,

• de jornais e textos de jornais;

• de revistas e textos de revistas;

• de livros e partes de livro;

• de sites e artigos da internet.

 

3. Organização temática

• Relação título-texto (subtítulos/partes do texto).

• Identificação de tópicos e subtópicos temáticos.

• Consistência: pertinência, suficiência e relevância das idéias do texto.

• Implícitos, pressupostos e subentendidos.

 

4. Seleção lexical e efeitos de sentido

• Recursos lexicais e semânticos de expressão: sinonímia, antonímia, hiperonímia, hiponímia, neologia, comparação, metáfora, metonímia...

• Significação de palavras e expressões.

• Efeitos de sentido da seleção lexical do texto: focalização temática, ambigüidade, contradições, imprecisões e inadequações semânticas intencionais e não intencionais, modalização do discurso, estranhamento, ironia, humor...

 

5. Signos não verbais (sons, ícones, imagens, grafismos, gráficos, infográficos, tabelas...)

• Valor informativo.

• Qualidade técnica.

• Efeitos expressivos.

 

6. Vozes do discurso

• Vozes locutoras e seus respectivos destinatários (alocutários).

• Recursos lingüísticos de representação do locutor e/ou do destinatário do texto e seus efeitos de sentido.

• Recursos lingüísticos de não representação do locutor e/ou do destinatário do texto e seus efeitos de sentido.

• Vozes sociais (não locutoras) mencionadas no texto: representações e efeitos de sentido.

• Variação lingüística no discurso das vozes e seus efeitos de sentido.

• Modalização e argumentatividade: uso de recursos lingüísticos (entoação e sinais de pontuação, adjetivos, substantivos, expressões de grau, verbos e perífrases verbais, advérbios, operadores de

• Tipos de discursos (ou seqüências discursivas) usados em um texto pelo locutor: narração, relato, descrição, exposição, argumentação, injunção, diálogo...

• Focos enunciativos do texto (locutor onisciente, locutor protagonista, locutor testemunha e outros) e seus efeitos de sentido.

• Posicionamentos enunciativos das vozes (locutoras e sociais) do texto:

• relações de divergência (oposição e confronto) ou de semelhança (aliança ou complementação).

 

7. Intertextualidade e metalinguagem

• Intertextualidade: estratégias (citação, epígrafe, paráfrase, paródia) e efeitos de sentido.

• Metalinguagem: marcas e efeitos de sentido.

 

8. Textualização do discurso narrativo(ficcional)

• Fases ou etapas:

• exposição ou ancoragem (ambientação da história, apresentação de personagens e do estado inicial da ação);

• complicação ou detonador (surgimento de conflito ou obstáculo a ser superado);

• clímax (ponto máximo de tensão do conflito);

• desenlace ou desfecho (resolução do conflito ou repouso da ação; pode conter a avaliação do narrador acerca dos fatos narrados e ainda, a moral da história).

• Estratégias de organização:

• ordenação temporal linear;

• ordenação temporal com retrospecção

(flash-back);

• ordenação temporal com prospecção.

• Coesão verbal:

• valores do presente, dos pretéritos perfeito, imperfeito, mais-que-perfeito e do futuro do pretérito do indicativo.

• Conexão textual:

• marcas lingüísticas e gráficas da articulação de seqüências narrativas com seqüências de outros tipos presentes no texto;

• marcadores textuais de progressão / segmentação temática: articulações hierárquicas, temporais e/ou lógicas entre as fases ou etapas do discurso.

• Textualização de discursos citados ou relatados:

- direto;

- indireto;

- indireto livre.

• Coesão nominal (referenciação):

- estratégias de introdução temática;

- estratégias de manutenção e retomada temática.

• Organização lingüística do enunciado narrativo: recursos semânticos e morfossintáticos mais característicos e/ou freqüentes.

 

9. Textualização do discurso de relato

• Fases ou etapas do relato noticioso:

- sumário (título, subtítulo e lide): relato sumariado do acontecimento (quem, o quê, quando, onde, como, por quê);

- continuação do acontecimento noticiado no lide: relato com detalhes sobre as pessoas envolvidas, repercussões, desdobramentos, comentários.

• Estratégias de organização:

- ordenação temporal linear;

- ordenação temporal com retrospecção

(flash-back);

- ordenação temporal com prospecção.

• Coesão verbal:

• valores do presente, dos pretéritos perfeito, imperfeito, mais-que-perfeito, do futuro do presente e do futuro do pretérito do indicativo.

• Conexão textual:

- marcas lingüísticas e gráficas da articulação de seqüências de relato com seqüências de outros tipos presentes no texto;

• Textualização de discursos citados ou relatados:

- direto;

- indireto;

- resumo com citações.

• Coesão nominal:

- estratégias de introdução temática;

- estratégias de manutenção e retomada temática.

• Organização lingüística do enunciado de relato: recursos semânticos e morfossintáticos mais característicos e/ou freqüentes.

 

10. Textualização do discurso descritivo

• Fases ou etapas:

- introdução do tema por uma forma nominal ou tema-título no início, no fim ou no curso da descrição;

- enumeração de diversos aspectos do tópico discursivo, com atribuição de propriedades a cada um deles;

• Estratégias de organização:

- subdivisão;

- enumeração;

- exemplificação;

- analogia;

- comparação ou confronto;

- outras.

• Coesão verbal:

- valores do presente e do pretérito imperfeito, do pretérito perfeito e do futuro do indicativo.

- Conexão textual:

- marcas lingüísticas e gráficas da articulação de seqüências descritivas com seqüências de outros tipos presentes no texto;

- marcadores textuais da progressão / segmentação temática: articulações hierárquicas, temporais e/ou lógicas entre as fases ou etapas do discurso descritivo.

• Textualização de discursos citados ou relatados:

- direto;

- indireto;

- indireto livre.

• Coesão nominal:

- estratégias de introdução temática;

- estratégias de manutenção e retomada temática.

• Organização lingüística do enunciado descritivo: recursos semânticos e morfossintáticos mais característicos e/ou freqüentes.

 

11. Textualização do discurso

expositivo

• Fases ou etapas:

- constatação: introdução de um fenômeno ou fato tomado como incontestável;

- problematização: colocação de questões da ordem do porquê ou do como;

- resolução ou explicação: resposta às questões colocadas;

- conclusão-avaliação: retomada da

• Estratégias de organização:

- definição analítica;

- explicação;

- exemplificação;

- analogia;

- comparação ou confronto;

- causa-e-conseqüência;

- outras.

• Coesão verbal:

- valores do presente do indicativo e do futuro do presente do indicativo;

- correlação com tempos do subjuntivo.

• Conexão textual:

- marcas lingüísticas e gráficas da articulação de seqüências expositivas com seqüências de outros tipos presentes no texto;

- marcadores textuais da progressão/ segmentação temática: articulações hierárquicas, temporais e/ou lógicas entre as fases ou etapas do discurso expositivo.

• Textualização de discursos citados ou relatados:

- direto;

- indireto;

- paráfrase;

- resumo com citações.

• Coesão nominal:

- estratégias de introdução temática;

- estratégias de manutenção e retomada temática.

• Organização lingüística do enunciado expositivo: recursos semânticos e morfossintáticos mais característicos e/ou freqüentes.

 

12. Textualização do discurso argumentativo

• Fases ou etapas:

- proposta: questão polêmica, explícita ou implícita no texto, diante da qual o locutor toma uma posição;

- proposição: posicionamento favorável ou desfavorável do locutor em relação à proposta, orientador de toda a argumentação;

- comprovação: apresentação de provas que sustentam a proposição do locutor, assegurando a veracidade ou validade dela e permitindo-lhe chegar à conclusão;

- conclusão: retomada da proposta e/ ou uma possível decorrência dela.

• Estratégias de organização:

• Conexão textual:

- marcas lingüísticas e gráficas da articulação de seqüências argumentativas com seqüências de outros tipos presentes no texto;

- marcadores textuais da progressão / segmentação temática: articulações hierárquicas, temporais e/ou lógicas entre as fases ou etapas do discurso argumentativo.

• Textualização de discursos citados ou relatados:

- direto;

- indireto;

- paráfrase;

- resumo com citações.

• Coesão nominal:

• estratégias de introdução temática;

• estratégias de manutenção e retomada.

• Organização lingüística do enunciado argumentativo: recursos semânticos e morfossintáticos mais característicos e/ou freqüentes.

 

13. Textualização do discurso injuntivo

• Fases ou etapas:

• exposição do macrobjetivo acional: indicação de um objetivo geral a ser atingido sob a orientação de um plano de execução, ou seja, de um conjunto de comandos;

• apresentação dos comandos: disposição de um conjunto de ações (seqüencialmente ordenadas ou não) a ser executado para que se possa atingir o macrobjetivo;

• justificativa: esclarecimento dos motivos pelos quais o destinatário deve seguir os comandos estabelecidos.

• Estratégias de organização:

• plano de execução cronologicamente ordenada;

• plano de execução não cronologicamente ordenada.

• Coesão verbal:

• valores do modo imperativo e seus substitutos (infinitivo, gerúndio, futuro do presente e outros).

• Conexão textual:

- marcas lingüísticas e gráficas da articulação do discurso injuntivo com outros discursos e seqüências do texto;

- marcadores textuais da progressão /segmentação temática: articulações hierárquicas, temporais e/ou lógicas entre as fases ou etapas do discurso injuntivo.

• Textualização de discursos citados ou relatados:

- direto;

- indireto;

- resumo com citações.

• Coesão nominal:

- estratégias de introdução temática;

- estratégias de manutenção e retomada temática.

• Organização lingüística do enunciado injuntivo: recursos semânticos e morfossintáticos mais característicos e/ou freqüentes.

 

14. Textualização do discurso poético

• O estrato fônico e as estratégias musicais.

• O estrato óptico e as estratégias visuais

(gráficas e digitais).

• O estrato semântico e a construção de imagens poéticas.

 

15. Organização do suporte jornal: relações com o público-alvo

• Composição (cadernos, suplementos, seções, colunas).

• Formato.

• Projeto gráfico (logomarca, variedade de fontes ou caracteres tipográficos, cores, imagens).

• Funções sociocomunicativas do suporte e suas partes.

• Pactos de leitura.

• Diversidade de domínios discursivos, de gêneros, de temas e de variedades lingüísticas.

• Integração entre signos verbais e não verbais (sons, imagens e formas em movimento, fotos, gráficos e legendas).

 

16. Primeira página

• Estrutura (título, cabeçalho, manchetes,chamadas, lides, ilustrações e legendas).

• Funções sociocomunicativas.

• Composição e função de manchetes,títulos e subtítulos de matérias.

• Caracterização e função de lides e chamadas.

• Integração entre signos verbais e não verbais (sons, imagens e formas e movimento, fotos, gráficos e legendas).

 

17. Credibilidade do suporte jornal: linha editorial, público-alvo e tratamento ideológico-lingüístico da informação.

• O mito da imparcialidade jornalística

• Estratégias de objetividade e

credibilidade

• Estratégias de subjetividade e argumentatividade

 

18. Perigrafia de livros literários

• Capa (sobrecapa, primeira, segunda e quarta capas, orelhas, lombada).

• Falsa folha de rosto, folha de rosto e ficha catalográfica.

• Dedicatória e agradecimentos.

• Epígrafe.

• Sumário

• Apresentação, prefácio e posfácio.

• Ilustrações

 

19. A linguagem verbal: modalidades, variedades, registros

• Modalidades lingüísticas:

- condições de produção, usos, funções sociais e estratégias de textualização da escrita;

- convenções da língua escrita: grafia de palavras (ortografia, acentuação gráfica, notações gráficas); parágrafo gráfico; pontuação;

- diferenças entre o sistema fonológico e o sistema ortográfico.

• Variação lingüística e estilística:

• fatores históricos (o passado e o presente), geográficos (o contínuo rural— urbano), sociológicos (gênero, geração, classe social) e técnicos (diferentes domínios da ciência e da tecnologia);

• manifestações fonéticas, lexicais, morfológicas e sintáticas;

 

 

20. Neologia de palavras

• Neologia semântica: a criação de novos sentidos para palavras, expressões e frases, e seus efeitos de sentido.

• Neologia lexical: os processos mais produtivos no português brasileiro atual e seus efeitos de sentido.

• Neologia por empréstimo: os estrangeirismos e seus efeitos de sentido.

• Derivação: diferenças entre o português padrão (PP) e não padrão (PNP).

 

21. Uso de pronomes pessoais no português padrão (PP) e não padrão

(PNP)

• Sistemas pronominais do PP e do PNP: diferenças quanto

- ao preenchimento da posição de sujeito;

- à extensão do emprego de pronomes pessoais tônicos como objeto;

- ao desaparecimento de clíticos junto ao verbo;

- ao emprego de pronomes reflexivos;

- ao emprego de dêiticos e anafóricos.

 

22. Flexão verbal no português padrão

(PP) e não padrão (PNP)

• Sistemas de flexão verbal no PP e no PNP:

- manutenção / redução do paradigma das pessoas verbais;

- [- ou +] emprego de formas verbais compostas no futuro e no pretérito mais-que-perfeito;

- [- ou +] uso do pretérito imperfeito pelo futuro do pretérito (condicional);

- [- ou +] predominância do modo indicativo.

• Concordância verbal no PP e no PNP:

- concordância verbal e coesão;

- casos gerais de concordância verbal.

 

23. Flexão nominal no português padrão (PP) e não padrão (PNP)

• Sistemas de flexão verbal no PP e no

PNP: diferenças de

- gênero e número do substantivo;

- gênero e número do adjetivo, quantificadores e determinantes variáveis do substantivo.

• Concordância nominal no PP e no PNP:

- concordância nominal e coesão;

- casos gerais de concordância nominal.

 

24. A frase na norma padrão

• Frase: estruturação, delimitação e

articulação

• Frase oracional e frase não oracional

• Marcas do relacionamento das palavras na frase:

- sinais de pontuação;

- ordem de colocação;

- concordância;

- articuladores ( preposições e conjunções);

- natureza dos sintagmas;

- operadores argumentativos;

- entoação / pontuação.

• A frase e seus sintagmas:

- sintagma nominal, sintagma adjetivo, sintagma adverbial;

- ordem canônica e não canônica dos sintagmas na frase e seus efeitos de sentido.

 

25. A frase na norma padrão: período simples

• Os sintagmas nominal, adjetivo e adverbial na estrutura oracional.

• O verbo e seus argumentos.

• Pontuação: segmentação e articulação de sintagmas.

 

26. A frase na norma padrão: o período composto

• Conexão sintática (coordenação e/ ou subordinação), semântica (relações lógicas) e discursiva (instruções de progressão temática).

• O período composto e suas orações.

• Orações coordenadas:

- tipologia;

- relações lógicas e discursivas;

- pontuação.

• Orações subordinadas:

- tipologia;

- relações temporais, lógicas e discursivas;

- pontuação.

 

27. De feiticeiras e fadas

• Representações de feiticeiras e fadas

- na tradição pagã;

- na tradição cristã;

- na cultura popular;

- na literatura infantil;

- no feminismo;

- na cultura contemporânea: publicidade, mídia, telenovela, cinema, história em quadrinhos...

• A ambivalência das feiticeiras e fadas contemporâneas: medo e sedução, divertimento e poder.

 

28. O herói

• Mito, identidade e cultura

• O herói épico e o herói trágico na tradição

grega

• O herói da Cavalaria Andante na Idade

Média

• O percurso do herói: o chamado da aventura; o caminho de provas, tentações e ajudas sobrenaturais; a transformação; o retorno.

• O anti-herói

• O vilão

• A releitura do herói, do anti-herói e do vilão na cultura contemporânea: publicidade, cinema, telenovela, gibis, mangás e videogames

 

29. A magia do espelho

• O espelho na cultura popular

• O espelho na literatura e na MPB

• O mito de Eco e Narciso: o olhar da sedução

• Narcisismo ou negação da alteridade: o eu, o outro e o mundo como imagens especulares; relações afetivas narcisistas; a celebração da aparência física e o culto da imagem (padrões e ícones de beleza, psicopatologias).

• Espelhos, Ecos e Narcisos na cultura contemporânea: publicidade, mídia, cinema, videogames, artes plásticas...

 

30. Mitos e ritos de iniciação ou passagem

• Mito, identidade e cultura

• O mito como rito de iniciação ou passagem

(etapas): separação da família (mãe); segregação e individuação; reintegração social ou agregação.

• O mito da luta dos titãs contra os deuses

Cronos e Zeus.

• O mito de Eros e Psiquê

• Mitos/ritos de iniciação em outras sociedades: indígenas, judaica, japonesa, etc.

• Mitos/ritos de iniciação na literatura

• Mitos/ritos de iniciação na cultura contemporânea: canção popular, publicidade, cinema, telenovela, história em quadrinhos....

• Mitos/ritos de iniciação x violência, gravidez precoce, alcoolismo e drogas entre jovens

 

 

 

 

 

 

 

 

A Literatura e outras Manifestações Culturais

Teatro

• A construção do texto teatral: as falas das personagens e os marcadores de cena indicados pelo autor.

• A montagem da peça de teatro: texto, direção, iluminação, figurinos, cenário, etc.

• A literatura no teatro: autores e obras.

• Produção de textos dramáticos para encenação na escola e/ou comunidade.

Cinema

• Indústria e arte.

• A linguagem cinematográfica: imagem, enquadramentos, planos, ângulos, movimentos de câmera, iluminação, figurino, cenário, cor, elipses e ligações, metáforas e símbolos, sons, ruídos e música, montagem, diálogos, procedimentos narrativos, espaço, tempo, ator.

• A literatura brasileira no cinema nacional: autores e obras.

• Produção de roteiros para filmes ficcionais ou documentários de curta metragem.

 

 

Referências Bibliográficas/Edições Atualizadas

ANDRÉ, Hidelbrando A. de. Gramática ilustrada. S.Paulo: Moderna.

BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. S.Paulo: Companhia Ed. Nacional.

CARNEIRO, Agostinho Dias. Redação em construção. S.Paulo: Moderna.

CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. S. Paulo: Companhia

Editora Nacional.

CEREJA, William Roberto e Magalhães e Thereza Cochar. Gramática Texto, Reflexão e Uso. Ed. Atual.

CLÁVER, Ronald. Escrever sem doer – Oficina de Redação. B.Horizonte: UFMG.

CUNHA, Celso e CINTRA, Luiz F. Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. R.de Janeiro:

Nova Fronteira.

FARACO, Carlos Emílio e MOURA, Francisco. Gramática. São Paulo: Ática.

GERIN, Júlia et alii. Português. Ensino fundamental – 2º segmento. Curitiba: Educarte.

GRIFFI, Beth. Gramática. S.Paulo: Moderna.

LIMA, Carlos Henrique Rocha. Gramática Normativa da Língua Portuguesa. Livraria José Olympio Editora.

LUFT, Celso Pedro. Novo Guia Ortográfico. Porto Alegre: Globo.

MESQUITA, Roberto Melo. Gramática da Língua Portuguesa. S.Paulo. Saraiva.

NEY, João Luiz. Prontuário de Redação Oficial. R. de Janeiro. Nova Fronteira.

RICHE, Rosa Cuba e SOUZA, Denise M. Oficina de textos - Leitura e Redação (4 vol.) São Paulo: Saraiva.

SACCONI, Luiz Antônio. Gramática Essencial da Língua Portuguesa. São Paulo: Atual Editora.

TRAVAGLIA, Gramática e Interação: uma proposta para o ensino de Gramática no 1º e 2º graus. São

Paulo: Cortez.

TUFANO, Douglas. Estudos de Redação. São Paulo: Moderna.

 



             AVISOS

   RECESSO ESCOLAR.

09 DE OUTUBRO A  13 DE OUTUBRO DE 2017.

--------------------------

HORÁRIOS DA 

SECRETARIA DO CESEC:

DE 2ª  A  5ª 

 

 8:00  ÀS  18:00

___________ 

 

ATENÇÃO !

A PARTIR DE  DEZEMBRO/2016,  TODOS  ALUNOS DEVERÃO RENOVAR A MATRÍCULA PARA 2017.

PROCURE A SECRETARIA. 

 

______________

 NOSSO TELEFONE GERAL

31- 33334734

 

<<<<<< >>>>>

 

A SECRETARIA NÃO TEM ATENDIMENTO EXTERNO NA

SEXTA-FEIRA. 

 

OS RESULTADOS DAS 

PROVAS  REALIZADAS 

NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, NOS DIAS  8 E  9 DE AGOSTO/2015,

JÁ ESTÃO DISPONÍVEIS NA ESCOLA OU PELO FONE:  31-33334734.

TRAZER OS DOCUMENTOS ,  XEROX E ORIGINAIS; IDENTIDADE, CPF, TÍTULO, CONTA DE LUZ , 01 FOTO 3X4 E HISTÓRICO SE FOR APROVEITAMENTO DE ESTUDOS.

 

ATENÇÃO CONCLUINTES DO ENEM 2016

A LISTAGEM DE 2016 JÁ ESTÁ NO CESEC.

QUEM FOI REPROVADO EM ALGUMA ÁREA DE CONHECIMENTOS E PASSOU NO VESTIBULAR, DEVE PROCURAR A  ESCOLA  CERTIFICADA PELO MEC PARA EMITIR O CERTIFICADO  OU SOLICITAR A DECLARAÇÃO DAS ÁREAS EM QUE FOI APROVADO PARA FAZER A PROVA QUE FALTA EM UM CESEC CREDENCIADO.

 

ATENÇÃO!!!

QUEM FEZ A PROVA DO ENEM 2016  EM CONTAGEM E FOI APROVADO EM TODAS AS ÁREAS OU PARCIAL, DEVE PROCURAR O CESEC CLEMENTE FARIA PARA REQUERER O CERTIFICADO PARCIAL OU TOTAL.

FAVOR APRESENTAR OS DOCUMENTOS (ORIGINAL E XEROX) : IDENTIDADE, CPF, CONTA DE LUZ, TÍTULO DE ELEITOR .

 

      

 

AVISO IMPORTANTE !

TODOS OS ALUNOS  MATRICULADOS EM 2016, DEVERÃO RENOVAR  A MATRÍCULA PARA 2017. INÍCIO DAS RENOVAÇÕES:  01 DE DEZEMBRO

   CESEC   CONTAGEM.

Respeitamos seu tempo,sua idade e seu rítmo para aprender.

     MATRÍCULA NO SUPLETIVO

 

 Para matricular-se no SUPLETIVO é necessário:

participar de uma palestra informativa.   

Após a palestra,o candidato receberá a lista de documentos

e a autorização para matricular-se.

Concluída a matrícula, o aluno estará apto a frequentar o CESEC.

IMPORTANTE: Para matricular no Ensino Fundamental

é necessário ter 15 anos completos. Para o Ensino Médio, só com 18 anos completos. 

 

 

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA MATRÍCULA NO SUPLETIVO:

IDENTIDADE, CPF, TÍTULO DE ELEITOR, CERTIFICADO DE RESERVISTA ( HOMEM ),

2 (DUAS) FOTOS, CONTA DE LUZ, HISTÓRICO ( 1ª A 4ª PARA O FUNDAMENTAL)

( 1ª A 8ª  PARA O ENSINO MÉDIO ).

NÃO SERVE OUTRO TIPO DE COMPROVANTE DE ENDEREÇO, SÓ SERVE A CONTA DE LUZ.     ( TRAZER XEROX DOS DOCUMENTOS E FRENTE E VERSO  DA CONTA DE LUZ )

 

 

DATAS E HORÁRIOS DAS PALESTRAS DO "SUPLETIVO"CESEC                     2017:

   SOMENTE ÀS

TERÇAS  e  QUINTAS, 

MANHà E  NOITE

8:00  OU  19:30

 

SERÃO DISTRIBUÍDAS SENHAS PARA OS 80 PRIMEIROS QUE CHEGAREM.

 

ATENÇÃO!!

O CANDIDATO DEVERÁ 

AGENDAR A PALESTRA COM ANTECEDÊNCIA, DE MANHÃ OU À NOITE.

 

------------------------------------------

------------------------------------------

 

  BANCA

 

HORÁRIO DE PROVAS:

 

MANHÃ

7:00 às 10:00

 

TARDE

13:00 ÀS 16:00

 

NOITE

17:30 ÀS 20:30

 

ATENDIMENTO EXTERNO:

8:00 ÀS 10:00

13:00  ÀS  16:00

18:00 ÀS 20:00.

 

 

---------------------------------

  BANCA PERMANENTE DE EXAMES ESPECIAIS  

NOVO SITE PARA ACESSAR OS PROGRAMAS DAS PROVAS DE BANCA:

 

www.educacao.mg.gov.br (PASSO A PASSO)

(cidadão/serviços/supletivo/

programas de provas 2014)

 

 

NA SALA 27, REMARCAÇÃO E MARCAÇÃO SOMENTE NOS HORÁRIOS: 

MANHÃ:   

TARDE

NOITE:    

HORÁRIO DE PROVAS:

MANHÃ

07:00 às 10:00

TARDE:

13:00 ÀS  16:00

  NOITE:

17:30 às 20:30

----------------------------------------

 

 SEXTA FEIRA NÃO TEM ATENDIMENTO EXTERNO.

 

OBSERVAÇÃO: A MATRÍCULA SÓ SERÁ EFETUADA SE ESTIVER COM TODOS OS DOCUMENTOS:

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INSCRIÇÃO DA PROVA DE BANCA .

(TRAZER XEROX E ORIGINAL):

-CARTEIRA DE IDENTIDADE

( não serve carteira de habilitação, por não ter naturalidade), CPF, TÍTULO ELEITOR, 01 FOTO 3X4, COMPROVANTE DE ENDEREÇO(conta de luz) .

OBS: NA FALTA DA C. DE IDENTIDADE, TRAZER A CARTEIRA DE TRABALHO (CTPS)